domingo, 25 de novembro de 2012

E assim, ela escreveu para mim:

"Nunca fui como todos
Nunca tive muitos amigos
Nunca fui favorita
Nunca fui o que meus pais queriam
Nunca tive alguém que amasse
Mas tive somente a mim
A minha absoluta verdade       
Meu verdadeiro pensamento
O meu conforto nas horas de sofrimento
não vivo sozinha porque gosto
e sim porque aprendi a ser só..."

 (Florbela Espanca)

sábado, 17 de novembro de 2012

Eu tento ser forte. Olhar pra frente e seguir a vida. Mas essa sensação de vazio insiste em me perseguir. Saudade do que eu nunca fiz, eu tenho no lábios o gosto do beijo nunca dado. É tudo tão cinza, tão sem cor. Quero correr e me esconder no colo da minha mãe. Desejando nunca ter nascido, sofrido, vivido... Ah, loucuras de uma mente insana, uma alma perdida.


=> Eu, pra mim, por mim.

Boa  noite,
Não estou procurando por um psicologo, nem conselhos, nem broncas.
Espero que isso fique aqui,  faça eco pelo silêncio que é o anonimato.
Tenho mil questões sobre a  vida. Tão curta... E o tempo passa tão rápido, e  como isso me assusta!
Ontem, eu era uma garota descalça andando pelo interior de Minas Gerais, hoje eu sou uma mulher, andando pelas ruas de Niterói. Uma cidade que assusta pelo cinza predominante e as relações impessoais. Nunca fui de mendigar atenção ou amizade, sempre me senti tão auto suficiente,  tão forte ao lidar com a minha solidão. Nunca quis fazer laços eternos. E hoje, me vejo aqui.
Enrolada em um laço que não tem começo, nem  fim. São só meios...
Eu te quero. Eu não te quero. E no próximo segundo eu te quero como se não existisse nada mais ao meu redor. No outro, penso em te largar, em fazer o meu tão sonhado intercambio.
Com você o mundo é mais, eu sei. Mas estou dividida entre fazer o que eu quero ou fazer o que eu acho que é certo.
Porque? Eu digo pra mim mesma todos os dias, que a vida é tão curta... E porque eu faço isso e continuo a queimar de indecisão?
Eu tenho medo. Medo de tanta coisa, se engana se você pensa que o meu único temor é o escuro...
Sinto que se eu não correr atrás agora, amanhã será tarde demais... Tarde, tarde, velho, velho... Tempo...
Essas palavras ecoam na minha cabeça sempre, eu te amo, não duvide, mas ao mesmo tempo eu quero tanto ser livre... E voar, voar, voar... Descobrir dons, talentos, vontades, verdades.
Me tornar uma pessoa melhor.
Quero tudo isso e mais um pouco.  Só não tenho coragem de dizer   :(