sexta-feira, 29 de abril de 2011

E então, ela se encontrou assim: Eufórica!
Sempre achou que tudo já estava enterrado, longe do seu coração, nunca se imaginou vivendo isto novamente, o combinado não era seguir em frente, sempre? Então porque voltar atrás logo agora? Logo agora, quando tudo já estava tão bem encaminhado?
Mas lá no fundo, bem no fundo... Ela já tinha sonhado com esse dia, mas, ocultava isso até de si mesma.

E agora se vê assim, flutuando, sabendo que o homem a quem ela mais amou na vida, tinha estado no outro lado da linha telefônica, ele não apagou o telefone dela e muito menos ela pensou em fazer isso com o dele; havia um acordo, seriam felizes sem o outro, mas isso não impedia de ter o número na agenda.
Viram que a felicidade só é plena quando se está bem de corpo e alma. Perceberam também que as pessoas erram, mas todo ser humano é assim, não é? Aprenderam a perdoar os inúmeros companheiros que tiveram depois daquele amor, e enfim, descobriram que não adianta o orgulho, não adianta a solidão, se o coração está pedindo por amor.
E que só há uma forma de amar: Sendo humano, se entregando com todas as suas imperfeições e aceitando o que vem do outro.
O amor é simples, somos nós quem criamos obstáculos para ele não crescer.